quinta-feira, 24 de julho de 2014

Vocação e genialidade


"Eu fui advogado sem vocação por um período de ano; nunca sofri tanto na minha vida". (Ariano Suassuna, poeta e escritor brasileiro)

Só quem tem vocação tem o potencial para ser um gênio numa determinada área do saber.

 
Ariano Suassuna, por não ter vocação, não foi um gênio da advocacia; mas por ter vocação, Suassuna foi um gênio da literatura nacional.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

A arte de julgar segundo os sábios e poetas

Há um tempo atrás Rubem Alves ministrou uma palestra para advogados e juristas com o tema A Arte de Julgar.
 
Um poeta, um teólogo, um psicanalista ensinando a arte de julgar? E quem disse que a arte de julgar é posse dos juristas e juízes?
 
A arte de julgar é posse dos sábios, porque os sábios sabem ouvir, sabem perceber, sabem intuir, sabem ver além.
 
E a arte da oratória? Também, meu amigo, é posse dos sábios, pelas mesmas razões que fazem deles os reais herdeiros da arte de julgar. Morreu Rubem Alves!

sábado, 19 de julho de 2014

"Você tem a mente aberta"

Você tem a mente aberta", disse o jovem Dalai Lama a Heirich Harrer, em diálogo real que foi reproduzido no filme Sete Anos no Tibet.
 
Ou seja, você é inteligente, você tem a mente receptiva, você não está fechado, entupido, você tem a mente aberta.
 
Assim, você pode aprender, evoluir, enriquecer sua vida interior, ver e sentir como é grande e infinita as coisas de Deus - que está muito além de de seu ego, de seus dogmas e de suas crenças limitantes.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Em parceria com Raul Seixas


"Pedro, as coisas não são bem assim - você pensa que é, mas não é;

Há tantos caminhos, tantas portas - e você acha que só existe o seu;
...
Cada um de nós é um universo - e você se limita tanto...;

Não me critique como eu sou - olhe para você mesmo, deixe eu ser eu;

Você sempre usa o mesmo terno - mude-se, amplie-se, expanda-se;

Pedro, as coisas não são bem assim - deixe de ilusão, Pedro".

______________Sanderson Moura


Flexibilidade: sinal de inteligência

Flexibilidade: uma virtude intelectual, sinal de inteligência, de raciocínio vívido.
 
Sem ela, a flexibilidade, não se pode dizer que uma pessoa seja inteligente.
 
Será sim, sem ela, a flexibilidade, um dogmático, um engessado, um sabichão, um homem limitado e sem carisma, enjaulado em suas verdades e convicções.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

A reforma do código de ética e a reforma íntima do advogado

Recebi, do Presidente Nacional da OAB, doutor Marcus Vinicius Furtado Coelho, uma carta solicitando-me sugestões para a Reforma do Código de Ética e Disciplina da Advocacia.
 
Gosto de nossa legislação profissional e pouca coisa vejo, na essência, que necessite de grandes reformulações.
 
Hoje acredito mais na reforma íntima do indivíduo do que em reformas de leis.
 
Nosso Código diz algo muito bonito e substancial: "é dever do advogado empenhar-se, permanentemente, no aperfeiçoamento pessoal e profissional".
 
O advogado que não pratica isso por si só se mediocriza, se amesquinha, se desvaloriza, se pune, se destrói.

sábado, 5 de julho de 2014

Florindo: um grande líder da advocacia acriana

Morre um líder da advocacia acriana, reconhecido por seus amigos e oponentes como uma referência extremamente positiva na reconstrução da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Acre.
 
Nós, advogados acrianos, devemos muito a florindo Poersch. Embora em lados opostos, sempre mantivemos uma relação de respeito e mútua consideração.
 
A ele a minha gratidão e o meu reconhecimento pelo profissional vitorioso e grander líder que foi. Que a luz de Deus oriente seus passos na outra vida!

sexta-feira, 4 de julho de 2014

O progresso na evolução espiritual


"Alguns indícios podem nos ajudar a descobrir se estamos progredindo na nossa evolução espiritual.
 
Um deles é a expansão íntima da felicidade. Outro, a expansão da consciência. Um terceiro, mais importante ainda, a expansão da compaixão. E um quarto, tão importante quanto os demais, a expansão da serenidade interior".
 
(Kriyananda, A Essência do Bhagavad Gita)

Tomé: o mais interessante discípulo de Jesus

Dia 3 deste mês foi dia de São Tomé. Para mim, o mais interessante discípulo de Jesus: não aceitava apenas crer por crer; queria ver, provar, investigar, examinar, experienciar a verdade por si mesmo.
 
Pouco tempo depois da crucificação do Mestre, Tomé foi para a Índia, e lá escreveu O Evangelho Segundo Tomé, também conhecido como O Quinto Evangelho, onde estão registradas as palavras secretas de Jesus ditas aos seus discípulos mais íntimos.
 
Este grande texto da espiritualidade universal foi descoberto em 1945, na localidade de Nag Hammaddi, no Egito, e hoje é objeto de grandes estudos místicos.
 
O filósofo Huberto Rohden o chama "o tesouro oculto da mensagem do Cristo".
 
Tem nele uma frase de Jesus que diz: "Bem-aventurado o introspectivo porque ele encontrará o Reino de Deus".
 

O poder da concentração

Viveu na Índia Antiga um mestre chamado Dronacharia. Ele ensinava aos seus discípulos a arqueria, a arte do arco e da flecha.
 
Certo dia ele quis escolher o melhor de seus alunos. Então propôs a eles uma prova: teriam que acertar a cabeça de um pássaro pousado no galho mais alto de uma árvore.
 
 Assim, no dia do teste, Dronacharia chamou seus discípulos um por um, perguntando o que eles viam. A resposta comum era: "Vejo um pássaro no galho mais alto de uma árvore, vejo também as nuvens, o céu, eu, você, o arco, a flecha, isso e aquilo outro, etc". E quando ele autorizava cada discípulo a disparar a flecha, nenhum deles acertava o alvo.
 
Quando chegou a vez de Arjuna, o mestre perguntou-lhe: "O que você vê?" Ele respondeu: "A cabeça de um pássaro". "Não vê mais nada?", insistiu o guru. "Nada mais! Apenas a cabeça de um pássaro", disse Arjuna. "Dispara a flecha", autorizou Dronacharia, certo do êxito de Arjuna, escolhido como seu melhor discípulo.
 
(História extraída do livro de Kriyananda, A Essência do Bhagavad Gita)

O poder libertador do Aqui, Agora

Um livro precioso para aqueles que querem acessar o poder libertador que estas mágicas palavras simbolizam.
 
 O "Aquiagora" é o habitat da luz - a fonte da paz e da inteligência de Deus.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Não-violência: uma chave para a evolução espiritual


Gandhi nos legou uma grande chave para conquistar a paz e o equilíbrio mental; para galgar os degraus da evolução espiritual: a não-violência - em pensamentos, palavras e atitudes.
 
Não-violência é viver em harmonia consigo e com o proximo e com todos os seres vivos. É imensurável, segundo Gandhi, o poder da não-violência.
 
Diz Jesus que os mansos, os não-violentos, herdarão a terra - herdarão toda a felicidade verdadeira que a terra pode dar ao homem que cultiva a paz dentro de si

O simbolismo do Olho grego


Simbolismo do Olho Grego.
 
Olhar da vigilância, da atenção, da observação, da luz da razão superior, que absorve e transforma a energia negativa em energia positiva.
 
É o poder da visão mística, do olhar meditativo de Buda, do terceiro olho, do olho que tudo vê.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Gandhi é a Thêmis da Índia

Na Índia, nas salas dos tribunais, há sempre uma foto de Mahatma Gandhi afixada no alto da parede.
 
Verdade e Não-violência era seu lema. Se sentirmos bem a profundidade destas duas palavras - aonde elas podem nos conduzir - veremos como isso tudo é um simbolismo muito forte do conceito de justiça.
 
Gandhi é a Thêmis da Índia!

terça-feira, 17 de junho de 2014

Grécia: fonte prazerosa de conhecimento

Na Grécia, o berço de tantas coisas que amo.
 
Júri, Advocacia, Oratória, Filosofia, Democracia, Teatro, Mitologia, História.
 
Tantas coisas sublimes da inteligência humana.
 
Uma civilização dourada, uma fonte prazerosa de conhecimento.

Ditos e feitos do Mestre Sócrates

Xenofonte foi discípulo de Sócrates, escreveu esta grande obra, que mostra os ditos e feitos do Mestre, as palavras e as ações memoráveis de uma das mentes mais poderosas do Ocidente, de um buda do Ocidente.
 
Em poucas linhas, Xenofonte traça assim o ser de Sócrates:
 
"Ele se destacava no domínio dos apetites - tanto sexuais quanto do estômago - como homem de maior rigor; era extremamente resistente no que se referia a suportar o frio, o calor, a dor e todo tipo de fadiga e pressão; além disso, suas necessidades estavam tão disciplinadas pela moderação que mesmo dispondo de muito pouco, vivia satisfeito".

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Dois filmes e um sonho


Dois filmes que mexeram com o meu imaginário.  Que impressionaram minhas fantasias. E que de alguma forma resgataram e moldaram meus sonhos. Quando ainda era jovem estudante universitário, presidente do DCE da UFAC.     Corria o ano de 1997.
 
 


Não limite a sua inteligência

E muitas vezes nos limitamos com crenças, dogmas, fanatismos, preconceitos, doutrinas, condicionamentos, fé cega, mente fechada, ideologias, religiões, partidos, - cometendo, assim, um crime contra as virtudes do intelecto, da razão e da inteligência, do Logos Superior que habita no íntimo humano.

A sábia oratória que emana do Gnóthi Seautón

Um dos pilares da sabedoria grega era é o autoconhecimento, expresso na entrada do Templo de Apolo, na seguinte frase:
 
"Gnóthi Seautón".
 
Os mais avançados e conscientes estudiosos da Oratória dos tempos modernos dizem ser o "Conhece-te a ti memo", o "Gnóthi Seautón", o autoconhecimento, a fonte de onde emana toda a arte e a ciência do bem falar.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Empatia: o segredo dos líderes e dos comunicadores

Quem quiser ser um bom comunicador, na família, na política, na igreja, no consultório, no tribunal, no trabalho, nos relacionamentos, precisa conhecer profundamente o significado da palavra EMPATIA .
 
Diz Henrik Fexeus, em A Arte de Ler Mentes "que se você não tiver empatia, por mais brilhante que seja sua ideia, ela corre um sério risco de não influenciar ninguém".

terça-feira, 3 de junho de 2014

A arte de ler mentes no tribunal do júri

Ontem, depois de uma audiência, fui até a livraria Dom Oscar Homero, e lá deparei-me com um livro interessante - que aborda um tema ligado ao meu trabalho no Tribunal do Júri, - intitulado A Arte de Ler Mentes, de Henrik Fexeus, um sueco, especialista no assunto.
 
A oratória, num nível mais abstrato e secreto, vai além da capacidade no uso das palavras, embora delas dependa para transmitir o que foi visto e sentido e apreendido e captado no plano do sutil, do metafísico, do que vai no interior dos sentimentos e dos pensamentos dos ouvintes.
 
 Ler mentes e interpretar gestos é uma sensibilidade tão valiosa quanto o ouro na arte da persuasão.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Como vejo Joaquim Barbosa?


Como vejo Joaquim Barbosa?
 
Como uma pessoa difícil, perigoso com o poder nas mãos, com inclinações tirânicas, com dificuldades em aceitar a opinião do outro; um homem com muitas questões psicológicas ainda por resolver, de humor infantil, idiossincrático, inconstante e agressivo.
 
Sua imaturidade no trato com o direito só trouxe insegurança e constrangimento para as instituições. Já vai tarde!
 
Pode ser bom para alegrar a mídia e o povo, mas é péssimo para a civilidade institucional. Para mim não vai deixar nenhuma saudade.
 
Ele foi a prova viva de que só saber direito não é saber direito. Direito sem uma perpectiva humanista é direito torto, é bullying, é violência jurídicas, é direito desprovido de alma, de essência, de brilho, de consciência, de autoridade real.

terça-feira, 20 de maio de 2014

As diversas manifestações do divino




 
Desde jovem já gostava de estudar as religiões: quantos adeptos tinham, quem eram seus fundadores, o que ensinavam.

 Cheguei a ser professor de Religião, e mesmo quando era professor de história e de filosofia ensinava a respeito delas.
Quando fazia o curso de História alimentava um vivo interesse em conhecer as religiões apresentando diversos trabalhos sobre o tema.
Ainda hoje leio sobre o assunto. Conhecendo se respeita mais!
 

Meu pai é uma pessoa interessante

Acho meu pai, Hudson Moura, uma pessoa interessante; tem sal.
 
Tem uma mente cética e racional e meio estoica: não acredita que o homem foi à lua; não acredita na virgindade de Maria; não acredita em alma ou em vida após a morte, ou paraíso ou inferno - pra ele morreu acabou; não acredita em macumba nem em santo - aliás bota fé em São Francisco; e diante da dor e da morte, sua postura é de respeito, mas também de destemor e de não reclamação.
 
E embora sendo assim - ao contrário de muitos que dizem ter fé e acreditar - é um homem bom. Dalai Lama dizia que a bondade é a grande religião.