sábado, 25 de abril de 2015

Insight

Todos nós somos felizes, só não sabemos ver ainda. 

Por isso aquela frase: "eu era feliz e não sabia". 

Pensava ainda há pouco ter perdido minha carteira com cartão, dinheiro e documentos - o transtorno que isso não daria!?

 Quando a achei tive esse insight: a gente é feliz e as vezes nem percebe a felicidade nas pequenas coisas ao nosso redor.

O pão nosso do agora

Deus nos dá o pão de cada dia; não é o pão de amanhã, de depois de amanhã, da semana que vem, do mês que vem, ou o pão que nossa ambição quer acumular. 

É o pão do hoje, do presente, do agora. "Não se preocupem com o amanhã", ensina Jesus. 

Tenho que viver o hoje, o amanhã tomará conta de si mesmo, porque o hoje bem vivido é o parto de muitos amanhãs bem vividos.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

O advogado e os aspectos secretos da verdade

Enquanto aprecio meu café matinal, leio uma edição especial da Revista Super Interessante intitulada A Ciência da Mentira. 

E como não poderia deixar de ocorrer, um capítulo todo é dedicado aos advogados. Não é que os advogados não mintam, o que não é exclusividade da profissão, é algo inerente a natureza humana - lembremos de marqueteiros, políticos, e de nós mesmos no nosso dia a dia - mas lembrei-me da aguçada reflexão de Piero Calamandrei, no livro Eles, Os Juízes, Vistos por Nós, Os Advogados: 

"O advogado, tal como o artista, pode ter o dom de descobrir e revelar os mais inesperados e os mais secretos aspectos da verdade. Pode por isso dar aos profanos - que não têm idêntica faculdade - a impressão de que os fatos que relata com amorosa fidelidade são de sua invenção. Mas o advogado não altera a verdade se consegue tirar dela aqueles elementos mais característicos, que escapem ao vulgo. Não é justo acusá-lo de trair a verdade quando, pelo contrário, consegue ser como o artista, seu intérprete sensível". 

Só orar é pouco, é preciso vigiar!

Só orar é pouco. 

Jesus disse: "Orai e Vigiai". 

Não adianta pedir paz, se não vigio a mim mesmo, se não sou um sentinela bastante atento para não deixar os bárbaros invadir minha mente e meu coração.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

O autêntico erudito

Erudição, etimologicamente falando, significa 'fora da rudeza'. 

O autêntico erudito é aquele que deixou de ser rude, grosso, indelicado e se tornou um homem educado, cortês, refinado em seu espírito, polido, equilibrado e simples.

 Daí vemos que erudição não tem necessariamente nada a ver com acúmulo de conhecimentos, mestrado, doutorado, isso e aquilo.

É, aliás, comum vê gente com muitos títulos acadêmicos sem o espírito lapidado, ainda dentro da rudeza, artificial, soberbo e confuso.

A floração do poder mental

Como aumentar o meu poder mental? Dominando meus pensamentos. 

E como dominar meus pensamentos? Fazendo valer a força do querer - querendo se descobre o caminho. 

Quando se controla a gula, quando se subjuga a raiva, quando se dá destino correto aos instintos sexuais, quando o positivo supera o negativo em nosso dia a dia, novas e superiores formas de prazer, bem-estar, percepção e inspiração surgem em nossa vida - nosso olhar é outro, nosso verbo é outro, nossa beleza é outra, nosso charme é outro.

Valioso presente: estabilidade emocional

Um dos maiores presentes imateriais que podemos dá um ao outro, num casamento, numa relação de amizade ou de trabalho é a nossa estabilidade emocional, nosso equilíbrio mental.

A partir do domínio de si tudo prospera.

A terra da paz de meu Eu Maior

Jesus subiu ao monte da consciência e lá assentou-se dizendo: "Bem aventurados os mansos de coração porque herdarão a terra". 

Esse dia vai chegar, Ele viu do alto das montanhas, eu acredito na realidade desta 'utopia'. 

A terra pertencerá aos homens de paz.

Enquanto isso não acontece, sonho em herdar pela paz a terra de meu Eu Maior.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Falar e escrever corretamente: uma marca apreciada, um talento respeitado

O primeiro vestibular que fiz, aos 17 anos, em 1994, foi para Letras/Vernáculo, curso destinado ao município de Tarauacá. Logo em seguida fui aprovado também para o curso de História, optando por este e vindo para Rio Branco. 

Mas o amor ao nosso vernáculo, à gramática, ao bom português, ao vocabulário, à etimologia das palavras, nunca se apartou de mim, por razões evidentes: o direito, a oratória, a advocacia, a liderança, dependem, e muito, para seu esplendor expressivo, do escrever e do falar corretamente. 

Eis aí um livro, Português para Convencer, de Moreno & Martins, que une todas essas coisas que eu degusto: a língua portuguesa, a arte da argumentação e o direito. Diz o autor que "a linguagem deficiente sempre recebeu punição rigorosa nos tribunais". 

Falar e escrever bem é uma das marcas mais apreciadas nos profissionais do direito, e se isso for aliado à ética e ao conhecimento jurídico e à vocação, não tem mercado de trabalho que não se curve a tamanho talento.

Quem só conhece a lei não conhece a lei

Blitz no trânsito, em frente ao Horto Florestal, as 7 horas da manhã, horário aonde as pessoas estão indo para o trabalho, deixando filhos na escola, pensando em como o seu dia pode ser mais produtivo, em como os seus problemas podem ser solucionados. 

Chamo isso de perturbar a ordem pública, a tranquilidade social, a paz das pessoas. Falta de sensibilidade, razoabilidade e respeito aos cidadãos. 

Escolham uma hora melhor, mais apropriada, menos abusiva; cumpram a lei com mais fraternidade, sem cegueira, sem vexame, de uma forma mais zen.

 Por isso é verdade o ditado que diz que "quem só conhece a lei não conhece a lei".

A chave da circunspecção

O mensageiro traz do além uma chave: a chave do silêncio interior, da quietude, da circunspecção, da meditação. 

Não se evolui em meio a excesso de atividades, de pensamentos, de palavras. Não é preciso ir para as montanhas, para os desertos, para as florestas, para lá ou acolá. As montanhas, os desertos, as florestas, o lá e o acolá estão aqui.

 "A chave que eu trago - diz o mensageiro - vai revelar o tesouro que carregas dentro de ti - e quando a revelação acontecer deixarás de ser um mendigo, sentarás no trono de teu próprio reino. Valoriza a chave, reconhece a chave, ama a chave por amor a ti mesmo, e a chave será a tua salvação, o teu equilíbrio, a tua firmeza, a tua inspiração, a tua estabilidade emocional, a tua prosperidade, a tua fonte de sabedoria, o teu Buda, o teu Cristo interior". 

Um dia serei tudo isso de bom que dizem por aí

Um dia serei tudo isso de bom que um tanto de pessoas dizem que eu sou - alguma coisa já tenho de bom. 

Recebo mais elogios do que críticas, um presente que me dão desde criança. Gosto dos elogios, e embora não gostando das críticas o tanto que eu gosto dos elogios, elas me servem também. 

Aprendi a elogiar mais do que a criticar os outros, a ver mais seus pontos positivos do que os negativos - não perco tempo julgando demais as pessoas. 

Não tenho dificuldade de elogiar, e venho aprendendo a receber críticas e elogios, sem me iludir ou me apegar a eles - examino a mim mesmo. 

E também não tenho ciúme ou inveja daqueles que são elogiados - são ricos ou bonitos ou prósperos ou inteligentes ou famosos ou poderosos ou destacados - benditos sejam eles, quero tudo isso pra mim também, sem tirar nada deles.

Venho procurando elevar minha autoestima e a gostar de mim mesmo - a ser uma pessoa bem resolvida, sem muitos recalques ou tantas carências.

E eu gosto de ser eu mesmo, não me trocaria por ninguém, e não aconselharia ninguém a querer ser eu, um ser com um tanto de coisas ainda carecendo de luz.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Quatro reflexões

1. Se não conquistei nem ainda o trono do meu eu, que é meu; como vou perder tempo querendo conquistar o trono do eu dos outros, que não é meu?

2. Passou agora pelo fluxo dos meus pensamentos...: se vou me arrepender depois, se vou sofrer depois, pra que fazer? É uma questão básica para se viver com inteligência.

3. Quero ter comigo a felicidade de a cada dia, ao dormir e ao me levantar, não ter remorsos, arrependimentos, mágoas a me acompanhar, consciência a me cobrar.

4. Negociação onde um sai ganhando e o outro sai perdendo, ou é imposição ou é manipulação, e o suposto ganho não tem base real, se perderá. Isso vale para todas as dimensões da convivência humana. Viver bem é se relacionar com ética, com transparência, onde todos podem ganhar, onde todos podem crescer.

Advogado tem que acreditar na causa

Um símbolo que muito aprecio, a deusa Thêmis. 

Tem fé - é um dos mandamentos do advogado. 

Triste e sem carisma é a vida profissional de um advogado pessimista e descrente da Justiça.

Vencer ou vencer no Júri Popular

Aprendi desde cedo a não pegar qualquer causa no Júri. 

Perder faz parte, mas no Júri dói mais, e por ser o Júri uma vitrine muito exposta, não se pode andar perdendo facilmente sem graves consequências ao bom nome profissional.

 Só aceito as causas que tenham um potencial de vitória, uma tese razoável a sustentar. Não entro em júri perdido. Às vezes, posso até não ganhar, mas se existir o potencial para ganhar empenho-me com todas as forças de meu talento para convencer os jurados - e nesse campo de minha especialidade meu lema é o mesmo de Airton Sena: "vencer ou vencer". 

Porque é minha experiência também o que disse Evandro Lins e Silva, em A Defesa Tem a Palavra: "É impossível uma grande defesa sem convicção, sem vibração, calor, entusiasmo, sem arrebatamento do advogado".

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Pode um pensamento ser mantido em segredo?

Cuidemos de nosso pensar!

 Pode um pensamento ser mantido em segredo? 

Com a resposta James Allen, místico inglês do século XIX, autor de vários livros sobre o poder do pensamento:

"Imaginamos que o pensamento pode ser mantido em segredo, mas não pode; para quem sabe observar e sentir, o pensamento se materializa em palavras, em reações, em atitudes, em gestos, em hábitos, no semblante e nas circunstâncias da vida de cada pessoa"

O Homem é Aquilo que Ele Pensa

Um dos livros clássicos do Movimento Novo Pensamento, O Homem é Aquilo que Ele Pensa, de James Allen, místico inglês, nascido no século XIX.

"Do tesouro da sabedoria, a serenidade da mente é uma das mais belas jóias". 

"O homem por si só se faz ou se destrói".

"Caráter é a soma de seus pensamentos".

"O homem não atrai aquilo que eles querem, mas aquilo que eles são".

"Endireite a si próprio e o universo se endireitará".

"Imaginamos que pensamento pode ser mantido em segredo, mas não pode; ele se cristaliza rapidamente em hábitos e os hábitos se concretizam em circunstâncias".


quarta-feira, 1 de abril de 2015

Redução da maioridade penal: apoio mas não solto fogos!

Não aplaudo, não saio soltando fogos, nem acredito no rigor da lei como forma de resolver a criminalidade; mas apoio a redução da maioridade penal como uma resposta razoável e necessária à ampla e legítima sensação social de impunidade. 

Os tempos são outros, e o direito não resiste a ação do tempo, devendo a ele submeter-se sob pena de ilegitimidade. 

Disse o sábio Pitágoras: "Eduquemos nossas crianças pra que não seja necessário castigá-las quando jovens ou adultas" - nesta solução eu tenho fé.

Flor de lótus - símbolo ideal do criminalista

Bem que a flor de lótus, que brota da escuridão da lama, poderia ser o símbolo ideal do advogado criminalista.

Mesmo em meio ao terreno pantanoso do crime, da dor, do desespero, o criminalista de verdade consegue florescer na ética, na consciência e no amor ao direito e à justiça.

Meu principal foco

Meu principal foco, que me traz alegria, energia, satisfação e sucesso a todos os campos de minha vida, quando não me aparto dele, como um filho pródigo, é o foco no agora.

O foco no presente, o foco no silêncio interior, o foco na consciência vigilante, o foco na atenção, o foco no testemunhar a mente.

O foco no meditativo observar, o foco no não-julgar, o foco no não-pensar - que é o verdadeiro potencial do firme pensar.

 E na lembrança, dentro de meu principal foco, as palavras de Jesus: "Buscai primeiro o Reino de Deus e tudo mais vos será acrescentado". 

terça-feira, 31 de março de 2015

Defesa sem floreios

Sustentando o Hábeas Corpus em favor do cantor Hangell - um caso que gerou repercussão nacional. 

Hoje, em audiência na primeira Vara do Tribunal do Júri, o crime foi desclassificado de tentativa duplamente qualificada de homicídio para lesão corporal, e o cantor foi solto após três meses de prisão. 

Vitória da tese que eu intuía desde o início. Não estou a defender o que ele vez - altamente reprovável - defendi apenas o enquadramento correto dos fatos à norma jurídica. 

A minha defesa foi pragmática, técnica, sem muitas considerações de natureza moral ou pessoal ou extrajurídicas.

 "Facto, non verba!", "Fatos, não palavras!", como dizia no tribunal o grande advogado e orador Santo Agostinho.

sexta-feira, 27 de março de 2015

O poder realizador da concentração

Diz Catherine Ponder, em As Leis Dinâmicas da Prosperidade,  que "o homem pode liberar mais poder produtor de resultados em uma hora de concentração mental do que em 24 horas de trabalho físico". 

Não conhecemos ainda todo o poder de realização de uma mente concentrada num objetivo. 

Daí explica-se que pessoas que parecem trabalhar 24 horas por dia tem a sensação de não sair do lugar. Enquanto outras - o que não é tão comum assim, diga-se - com calma, serenidade e passos firmes num objetivo bem focado, realizam muito mais em menos tempo de trabalho.

Varas criminais sem gestão e sem foco

Quando eu chego numa Vara Criminal e vejo a pauta com 9 ou mais audiências, quase todas marcadas para o mesmo horário, com inúmeras testemunhas cada uma delas, uma conclusão se impõe: falta de gestão e de respeito com as partes.

 Às vezes, ou melhor, quase sempre, em determinadas varas, uma audiência marcada para as 9 horas só começa as 13 horas. São varas onde, geralmente, os servidores são mais estressados e mal educados com os jurisdicionados; varas tumultuadas de reclamações. 

São Varas onde o juiz chega a hora que quer, não tem objetividade, e os processos quase não andam. Mais uma vez: falta de gestão! 

A mais rara das inteligências

Existem vários tipos de inteligências, conforme ensina o psicólogo Howard Gardner, com sua teoria das inteligências múltiplas. 

Temos todas elas em nós, em níveis de destaque diferentes. 

Qual a inteligência mais rara, e a menos desenvolvida nas pessoas?

A inteligência intrapessoal: viver em paz consigo mesmo, conhecer a si mesmo, meditar, concentrar, mergulhar no seu eu, viver no agora; domínio de si, inteligência emocional.

terça-feira, 24 de março de 2015

Entristecido triplamente

Entristeceu-me triplamente o que fez o magistrado do Caso Eike Batista ao se apropriar de dinheiro apreendido pela Justiça. 

Entristeceu-me triplamente porque, primeiro, ele é acriano.

Segundo, é budista.

Terceiro, um juiz federal agindo desse jeito!

Discipline-se

Hoje minha vontade era de ficar em casa, na cama. Mas vim trabalhar. 

Ao chegar no escritório, abri um livro que recentemente comprei, Segredos de Liderança, de Michael Heath, na página que diz:

"Discipline-se: autodisciplina é colocar de lado o que você gostaria de fazer para concentrar-se em algo que precisa ser feito. É reconhecer as tentações, os desejos, os comodismos e hábitos que podem seduzi-lo a tomar um caminho mais fácil. Um líder recorre a força mental que faz com que ele escolha o caminho mais difícil - e correto. E esse caminho envolve sacrifício e comprometimento". 

Depois de ler isso me senti um vitorioso de ter agido como um líder, ao me levantar da cama e vencer a minha indisposição e preguiça num dia de segunda-feira.

quarta-feira, 11 de março de 2015

Pra mim, aprender a viver é aprender a viver no aqui e no agora

Epicuro, sábio grego do século IV a.C, ensinava aos seus alunos, na sua Escola de Sabedoria, chamada O Jardim, a desfrutar o que acontece no momento presente, a ancorar o prazer e a alegria da vida no agora. 

Inspirado em seus ensinamentos, o poeta Horário escreveu e imortalizou o clássico verso: 'Carpe Diem', literalmente, 'aproveita o dia'; significando: degusta a plenitude do instante. 

Experienciamos isso? Sabemos seu real valor? Ou é apenas algo mental, que reproduzimos, sem a devida consciência, sem a devida vivência? Achamos bonito, acreditamos que até seja verdade; mas é algo que faz parte de minha forma de viver? É minha busca, se desapegar do passado, se desapegar do futuro, e sentir satisfação no momento presente? 

Pra mim, aprender a viver, é aprender a viver no aqui e no agora - é uma expressão que sintetiza com fineza a essência da alta espiritualidade.

terça-feira, 10 de março de 2015

Júri: culminâncias extraordinárias

Depois de 15 anos, releio um dos maiores clássicos da literatura do júri, em nova edição ampliada: Grandes Advogados, Grandes Julgamentos: No Júri e noutros Tribunais, de autoria de Pedro Paulo Filho.

 Agora o leio com uma nova maturidade, mas com o mesmo entusiasmo varonil - graças a Deus! - pela advocacia e pela tribuna popular!

 Prefaciando a obra, diz Antonio Mariz de Oliveira:

 "O júri simboliza a advocacia na sua plenitude, pois lá a liberdade de atuação do advogado é ilimitada; lá as qualidades de orador, argumentador, cultor das ciências jurídicas, conhecedor do homem e da vida podem atingir culminâncias extraordinárias". 

sexta-feira, 6 de março de 2015

Riquezas profundas

Riqueza não é só ter dinheiro ou casa bonita - e é bom ter tudo isso.

 Riqueza é também saúde, riqueza é paz, riqueza é amizade, riqueza é harmonia familiar, riqueza é a luz na consciência, riqueza é um estado de espírito, é se sentir bem consigo mesmo.

Riqueza é a sensibilidade de perceber e desfrutar o mistério e a beleza da vida.

A virtude da diligência

Salomão ensina que a diligência é uma virtude capaz de levar o homem ao sucesso e a prosperidade.

A diligência é o carinho, o amor, o zelo, a atenção, o cuidado, a excelência, o talento que colocamos em tudo o que fazemos. 

E o Grande Rei diz em Provérbio 22:29: "Vês um homem diligente em seu trabalho? Ele será posto a serviço de reis". 

Um homem sem diligência é um homem preguiçoso e sem vigor, e um homem preguiçoso e sem vigor tem a pobreza e a lamentação como fiéis companheiras.

quinta-feira, 5 de março de 2015

A defesa no júri com a lupa de Sherlock Holmes

Sherlock Holmes - um dos meus grandes professores. 

Quando jovem lia avidamente muito de suas histórias, e ainda leio. 

Admiro a sua lógica, a sua observação aguçada, a sua atenção profunda, a sua grande capacidade de concentração, seu silêncio meditativo, sua calma, sua inteligência imperturbável.

Procuro construir as minhas defesas no júri com a lupa de Sherlock Holmes. 

quarta-feira, 4 de março de 2015

Gnothi seauton

"Gnothi seauton" - "Conhece-te a ti mesmo".

"Seja o que deseja aparentar".

"Não se acomode em seus talentos".

"Só sei que nada sei".

"Reconhecer a ignorância é o início da sabedoria".

"Uma vida não examinada não vale a pena ser vivida".

"Exerço o mesmo ofício de minha mãe: sou parteiro; ela faz nascer crianças, e eu faço nascer a verdade".

Não se acomode em seus talentos

"Não se acomode em seus talentos", diz Sócrates.
Leia, estude, pesquise, pratique, ponha-os em movimento, desenvolva-os, reaja com firmeza à apatia e à preguiça.

Caso contrário, eles atrofiarão, e você sofrerá por ter feito pouco caso dos dons que recebeu.

O poder do método sócratico

"Não é vergonhoso não saber. Vergonhoso é não querer aprender". Sócrates

Sócrates foi um demolidor dos falsos saberes, do egos iludidos, das mentes superficiais. Até hoje continuo a me beneficiar de sua sabedoria.

Perguntar, indagar, questionar, duvidar, investigar, buscar, escavar, examinar, é o método socrático para se descobrir a verdade. É evidente a importância do método socrático para um advogado, para um orador, para um líder, para todo aquele que ser propõe a ver as coisas com mais consciência.